Manual de utilização do simulador do crédito aos consumidores

O simulador do crédito aos consumidores permite calcular o valor da prestação mensal de um crédito ao consumo (novo ou já existente) e verificar como essa prestação varia na sequência de alterações de algumas das variáveis, como por exemplo alterações no montante do capital em dívida, no período do empréstimo ou na taxa de juro.

O resultado da simulação permite também conhecer o custo total do crédito.

 

Que dados tem de inserir no simulador?

Para simular deve preencher os seguintes campos:

  • “Montante do empréstimo” e “Outros valores financiados” (caso se aplique) – a sua soma corresponde ao capital em dívida;
  • “Taxa de juro anual nominal” – representa o custo associado aos juros do empréstimo e corresponde à soma do indexante (taxa de juro de referência) e do spread;
  • “Período do empréstimo em meses”.

Deve preencher os campos relativos a “Carência ou diferimento de capital” caso o crédito inclua:

  • Período de carência – período inicial durante o qual não há lugar a amortização de capital, mas apenas a pagamento de juros;
  • Diferimento de capital – adiamento do reembolso de parte do capital para o final do prazo do empréstimo.

Caso existam deve também preencher os campos de:

  • “Encargos pagos no início do empréstimo” – corresponde às comissões pagas inicialmente e ao prémio único de seguro, no caso de algum dos seguros ser pago “à cabeça”;
  • “Encargos pagos mensalmente” – corresponde às comissões regulares associadas ao empréstimo;
  • “Prémios de seguros” – corresponde aos valores anuais dos prémios de seguros. 

Sobre o montante de crédito utilizado incide imposto de selo à taxa de:

  • 0,192%, por mês, para prazos inferiores a 1 ano;
  • 2,4% para prazos superiores ou iguais a 1 ano e inferiores a 5 anos;
  • 2,4% para prazos superiores ou iguais a 5 anos.

O imposto de selo incide também sobre os juros e as comissões cobradas à taxa de 4%.

Todos estes encargos com impostos entram para efeitos de cálculo da taxa anual de encargos efetiva global (TAEG).

 

O que pode simular?

Partindo do exemplo de um empréstimo com:

  • Montante do empréstimo – 1500€
  • Período do empréstimo – 60 meses (cinco anos)
  • Taxa de juro anual nominal – 5,0% (indexado à Euribor a 6 meses, com um valor inicial de 4,5%, e com um spread de 0,5%)

A prestação mensal (capital e juros) é de 28,44€ e a taxa anual de encargos efetiva global (que representa o custo total do crédito – juros, comissões, impostos, prémios de seguros) é de 5,984%.

O montante total de juros pagos corresponde a 206,67€.

Alteração do prazo

Caso opte por um prazo de três anos (36 meses), mantendo constantes as restantes condições do exemplo, a prestação mensal é de 45,09€.

No final do empréstimo, o montante total de juros pagos é de 123,28€, inferior aos 206,67€ pagos com o prazo maior.

 

Refixação da taxa de juro

A taxa de juro do exemplo é revista de seis em seis meses, de acordo com a média do valor do indexante (Euribor) observado no mês anterior ao da respetiva revisão.

Para avaliar o impacto na prestação mensal da alteração do valor do indexante, deve alterar em conformidade os seguintes campos:

  • Montante do empréstimo – decorridos seis meses, o valor do capital em dívida é de 1366,90€;
  • Período do empréstimo – decorridos seis meses, o número de prestações em falta corresponde a 54 meses;
  • Taxa de juro anual nominal – se a Euribor passar de 4,5% para 5%, o valor da taxa de juro é de 5,5%.

Devido ao aumento da taxa de juro, o valor da prestação mensal passou de 28,44€ para 28,77€.

 

Renegociação do prazo ou spread

Admita que, ao fim de dois anos, as condições do empréstimo são negociadas e o prazo do empréstimo é encurtado um ano e o spread é reduzido em 0,1%.

Para avaliar o impacto na prestação mensal da alteração das condições, deve alterar em conformidade os seguintes campos:

  • Montante do empréstimo – decorridos 24 meses, o valor do capital em dívida é de 946,23€;
  • Período do empréstimo – decorridos 24 meses e encurtando o prazo em 12 meses, o número de prestações em falta corresponde a 24 meses;
  • Taxa de juro anual nominal – assumindo que a Euribor se mantém inalterada (4,5%) e o spread passa de 0,5% para 0,4%, o valor da taxa de juro é de 4,9%.

A prestação mensal aumenta para 41,55€.

Os juros do empréstimo reduzem-se de 206,67€ para 179,94€ (que corresponde à soma dos juros pagos nos primeiros 24 meses – 128,90€ – e os juros pagos no empréstimo renegociado – 51,04€).

 

Amortização parcial antecipada

Para conhecer o efeito sobre a prestação mensal de uma amortização parcial de capital de, por exemplo, 200€ ao fim de dois anos, deve alterar em conformidade os seguintes campos:

  • Montante do empréstimo – decorridos 24 meses, o valor do capital em dívida é de 946,23€. Retirando os 200€, o capital em dívida é de 746,23€;
  • Período do empréstimo – decorridos 24 meses, o número de prestações em falta corresponde a 36 meses;
  • Taxa de juro anual nominal – assumindo que não se alterou, o valor da taxa de juro é de 5%.

A prestação mensal passa a ter o valor de 22,43€.

Neste caso, uma vez que o reembolso ocorre num período em que a taxa de juro é variável, não há lugar ao pagamento de qualquer comissão de reembolso antecipado. Consulte a página “Como renegociar ou reembolsar antecipadamente” neste Portal para mais informações sobre as comissões de reembolso antecipado que podem ser cobradas. 

 

Carência de capital

Para conhecer o efeito sobre a prestação mensal de um período de carência de, por exemplo, seis meses, deve preencher também o campo:

  • Período de carência de capital – neste caso, 6 meses.

Durante esse período de 6 meses, a prestação mensal passa a ter o valor de 6,50€. Quando o empréstimo retoma a sua modalidade de reembolso padrão, após o período de carência, o valor da prestação mensal aumenta para 31,21€.

Os juros do empréstimo aumentam de 206,67€ para 224,57€.

 

Diferimento de capital

Para conhecer o efeito sobre a prestação mensal de um diferimento de capital de, por exemplo, 30%, deve preencher também o campo:

  • Diferimento de capital – neste caso, 30%.

A prestação mensal passa a ter o valor de 21,86€, à exceção da última prestação.

A última prestação tem o valor de 471,86€, que corresponde à soma do encargo mensal e da totalidade do capital diferido (0,3 x 1500€).

Os juros do empréstimo aumentam de 206,67€ para 261,67€.